segunda-feira, 16 de maio de 2011

(im)permanências.



Eu tenho pensado tanto esses tempos e escrito tão pouco, talvez porque não consiga escrever sobre o que, ou quem eu esteja pensando.  Embora ele tenha chegado, a sombra ainda está escondida em algum lugar, e eu não consigo encontrar, se eu ao menos soubesse onde, ficaria mais fácil de clarear essa parte escura que ainda está em alguma parte de mim. Talvez o mistério daquele olhar não permita que essa sombra de dúvidas e incertezas vá embora, o mesmo mistério que me encanta e que me faz ver outra pessoa dentro daqueles olhos, o mesmo mistério, o mesmo sorriso, o mesmo cheiro, talvez seja loucura da minha parte, é que ainda não entendo o que ele representa, estou confusa, eu sinto que deveria ter ido, e não fui. Que deveria ter dito, e não disse, me sinto patética, como uma personagem de livros na banca da esquina, sempre exposta. E simplestemente finjo que não é comigo. A gente fica buscando a felicidade, são tantas tentativas frustradas, e no fim a felicidade é uma coisa tão pequena, simples, é de pele, de sentir na pele uma leveza, um sorriso, uma abraço... Que bobagem não é? Que bobagem! Mas que delícia de bobagem. Se sentir encantado é uma coisa tão gostosa, só não consegui entender se nós gostamos mesmo da pessoa ou das sensações que essa pessoa nos faz sentir? Sinceramente! Não sei... Só sei que gosto de me sentir instigada pelo mistério daquele olhar. 
Será que a vida é muito mais que isso? .... Encontros fortuitos que acontecem entre almas? E o instante daquele momento seria eterno... e bonito. Se eu fosse dona de um roteiro escreveria algo assim. Um fragmento. Se olharam porque se olharam. Sem romantismos, mas cheios de afeto.Tumblr_llboeqnxll1qirow8o1_500_large
E eu, telespectadora, concluiria em pensamentos... É que é de inconsistências, principalmente, que são moldados os nossos destinos. Aqui e ali. Por (im)permanências. É que tudo, mesmo quando é definitivo, não é mais que por enquanto.... Enquanto se vive.


*
Mais um texto que não gostei, mas ainda não acho justo deixar vocês sem ele.

** 

Me perdoem tanto tempo sem postar.

***

Estava com saudades daqui. 

sábado, 9 de abril de 2011

Encontros e espelhos.

Hoje fui bem indiferente com alguém que me irritou porque me disse a verdade. Eu ignoro a "verdade" às vezes... porque eu sei que ela é construída e, porque no meu jeito reflexivo de ser, eu sempre preferi construir meus mundos. Mas paredes continuam sendo paredes mesmo quando a gente as pinta de vermelho. E castelos só são castelos se também tiverem concreto, ou são apenas amontoados de areia.

Eu tenho que aprender o que fazer com essa pessoa que aparece em mim de vez em quando... e que me olha, assustada, e brava, e corajosa, com vontade de futuro, desafiando a rotina e minhas áreas de conforto. Preciso dizer a ela que é tanto um erro subestimar-se quanto considerar-se fortaleza.

Porque eu não sei o que eu vou fazer quando eu conseguir aquilo que busco. Meio como se pra continuar sonhando eu nunca pudesse alcançar sonho. Parece loucura... Será que deliberadamente, por ter medo de ser, eu mate qualquer externalidade que me constitua?! Tantas e tantas vezes uso a escrita como um escudo que me protege é de mim, e do que sinto, do que eu possa sentir... Meio como se eu tematizasse antes eu tivesse algum controle sobre gênio, rumo e direção. Às vezes me sinto como um maremoto de ondas cataclísmicas prestes a destruir cidades inteiras... mas a destruição é sempre interna. E também é sempre interno o desejo vazio que fica. É que me sobram tantas faltas...

Eu não quero ser plena, porque acho que isso me daria uma responsabilidade muito maior que essa de agora e que, mesmo precária e limitada, já é tão pesada pra mim... Me sinto confusa, mas confusos não estamos nós todos?
*

Mas me doeu... "...em vez de zanzar em todos os lugares e não se construir em nenhum ponto identificável." A maior diferença entre a gente nem é você ser denso, prolixo e cínico como eu te disse em outro texto. É que eu sempre vou "mostrar a eles meu medo, mostrar a eles a minha dor". Eu não sei fazer diferente e nem quero. Mas o que você não entende é que já é essa a minha escolha... Eu odeio espelhos e adoro fairytales. "Sometimes it lasts in love but sometimes it hurts instead..."